Autor Tópico: 30% de quotas de musica portuguesa  (Lida 581 vezes)

Zeca 2021

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 325
    • Ver Perfil
30% de quotas de musica portuguesa
« em: Janeiro 18, 2021, 05:17:47 pm »
Na TVI escutei o responsável pelas rádios da Media Capital criticando a medida.
Disse ele, que a Media capital muito faz pela musica portuguesa.
Qual musica portuguesa?

Um cantor de musica portuguesa que resida no Porto, para estar numa das rádios da Media Capital tem que fazer 310km para estar num estúdio da Media capital.
E se for de Bragança? Lá vai ter que fazer 550km.
Resta as locais a defender a musica portuguesa.
Quem resta?
Os amigos da roda lisboeta, esses sim, que por lá estão.
A M80 que musica portuguesa passa? Os mesmos hits de sempre que comprimidos aquilo deve dar meia duzia de bandas e os mesmo temas sempre.

A RR é igual.
Sempre os mesmos, por norma os artistas que residem na capital.
O resto não tem hipóteses ou lá vai ter que se me meter no pendular.

pdf

  • #MdR
  • Administrator
  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1211
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #1 em: Janeiro 18, 2021, 05:18:33 pm »
Até neste assunto o Zeca consegue ser regionalista. Brilhante! Admiro-lhe a ginástica.

Memorias da Radio

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 784
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #2 em: Janeiro 18, 2021, 05:26:50 pm »
Ena a volta que isto deu... até fiquei zonzo...

Agora chamo-lhe eu é regionalista a si, Zeca 2021 (deve fazer campanha agora para dia 24). E porquê o Porto e Bragança? Porque não Aveiro, Coimbra, Leiria, Santarém, Évora, Faro? É só o norte que tem artistas em condições à espera de uma oportunidade para singrar?

AG

  • Global Moderator
  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1413
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #3 em: Janeiro 18, 2021, 05:38:06 pm »
Esses «amigos da roda lisboeta» como os Clã, GNR, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Miguel Araújo...

Santo Deus.

Zeca 2021

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 325
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #4 em: Janeiro 20, 2021, 12:21:45 pm »
Esses «amigos da roda lisboeta» como os Clã, GNR, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Miguel Araújo...

Santo Deus.

Tres residem em Lisboa.
Os GNR praticamente estão extintos e os a Azevedo já escreveu muitas  vezes que tem que ir a Lisboa para aparecer numa rádio, tv ou revista.

Memorias da Radio

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 784
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #5 em: Janeiro 20, 2021, 10:52:58 pm »
Esses «amigos da roda lisboeta» como os Clã, GNR, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Miguel Araújo...

Santo Deus.

Tres residem em Lisboa.
Os GNR praticamente estão extintos e os a Azevedo já escreveu muitas  vezes que tem que ir a Lisboa para aparecer numa rádio, tv ou revista.

Não há paciência. Os GNR estão extintos? Os que ainda agora há pouco tempo lançaram o tema Calor com os Glockenwise juntos ao barulho e com o Rui Reininho a cantar como sempre cantou?

Faço minhas as palavras do AG: Santo Deus.

pdf

  • #MdR
  • Administrator
  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1211
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #6 em: Janeiro 21, 2021, 09:38:50 am »
Esses «amigos da roda lisboeta» como os Clã, GNR, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Miguel Araújo...

Santo Deus.

Tres residem em Lisboa.
Os GNR praticamente estão extintos e os a Azevedo já escreveu muitas  vezes que tem que ir a Lisboa para aparecer numa rádio, tv ou revista.

Não há paciência. Os GNR estão extintos? Os que ainda agora há pouco tempo lançaram o tema Calor com os Glockenwise juntos ao barulho e com o Rui Reininho a cantar como sempre cantou?

Faço minhas as palavras do AG: Santo Deus.

Chega a um ponto em que já não vale a pena.

Zeca 2021

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 325
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #7 em: Janeiro 21, 2021, 11:48:54 am »
Esses «amigos da roda lisboeta» como os Clã, GNR, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Miguel Araújo...

Santo Deus.

Tres residem em Lisboa.
Os GNR praticamente estão extintos e os a Azevedo já escreveu muitas  vezes que tem que ir a Lisboa para aparecer numa rádio, tv ou revista.

Não há paciência. Os GNR estão extintos? Os que ainda agora há pouco tempo lançaram o tema Calor com os Glockenwise juntos ao barulho e com o Rui Reininho a cantar como sempre cantou?

Faço minhas as palavras do AG: Santo Deus.

Chega a um ponto em que já não vale a pena.

Os GNR já não lançam nada desde 2015 em termos de albuns.
Há 6 anos parados.
Lá surgiu em 2018 o single/tema "Quem".
Não me venham falar em GNR pois tenho a discografia toda da banda.
Rui reininho a cantar como nunca cantou?!
È piada, só pode.
O que o Rui Reininho faz a titulo individual não vincula a banda. Falaram nos GNR e não no Reininho. Sejam intelectualmente honestos.
E se quiserem retirar alguma duvida sobre os GNR, sou amigo pessoal de um dos membros, por isso, estão á vontade.
Quanto aos restantes exemplos dados, como são factos a sua sua residência em Lisboa, não houve contraditório.
Quanto às criticas constantes da Manuela Azevedo contra o centralismo, nem um comentário.
Contra facto não há argumentos.
« Última modificação: Janeiro 21, 2021, 11:55:32 am por Zeca 2021 »

masterhead

  • Newbie
  • *
  • Mensagens: 9
    • Ver Perfil
Re: 30% de quotas de musica portuguesa
« Responder #8 em: Janeiro 21, 2021, 08:32:41 pm »
Considero que deveriam ter sido estipulados os 40% ao invés dos 30%. Para além disso, creio que a lei em si não deveria estipular um máximo de 40%, dando ao legislador a liberdade de estipular valores mais elevados, se justificáveis. O mesmo acontece com o valor das quotas aplicáveis à rádio pública, com um máximo de 60%, quando deveria ter sido consideravelmente superior.

No entanto, recordo que, na altura da aprovação do decreto-lei em 2007 (se a memória não me falha), a "guerra" foi severa e os actores contra a medida continuam a ser os mesmos de agora. Os argumentos do contra são idênticos e não consideram a evolução natural de produção de música de expressão portuguesa (a música produzida no Brasil está de fora da equação) e os hábitos de consumo de música portuguesa que, julgo eu, são superiores aos de há 13 anos.