Autor Tópico: Futuro da rádio em Portugal: DAB  (Lida 1385 vezes)

ruicleto

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 201
    • Ver Perfil
Re: Futuro da rádio em Portugal: DAB
« Responder #15 em: Junho 14, 2020, 09:05:34 pm »
EXCELENTE texto de joão_s  !!! os meus parabéns.
Recordo que Portugal (podem ver isso no sítio na internet do World Dab) é já uma ilha em toda a europa, na implantação da rádio digital (que apresenta  o DAB+ como uma versão muito melhor ainda que o anterior DAB). Saliento que a Suiça tem previsto desligar a curto prazo o FM. Não é isso que defendo para Portugal a curto/médio prazo! vejo mais interesse numa coexistência com o FM até que haja recetores e ouvintes em número suficiente e que seja ponderado, então sim, desligar o FM.
De facto, tal como referiu joão_s, poderíamos ter as rádios regionais (TSF e M80) com emissão nacional bem como uma maior diversidade e inclusivamente cobertura nacional de outras, como por exemplo a notável Smooth FM.
Na realidade, a vizinha Espanha - que está já a dar os primeiros passos no DAB+ e Portugal, que ainda não tem nada, são mesmo os mais atrasados em toda a União Europeia - azar da península ibérica...
Dou como exemplo a minha experiência pessoal em que tentei, em 2010, adquirir um recetor DAB e não havia praticamente no mercado português aparelhos em número suficiente, e os que existiam tinham preços assombrosamente caros. Foi uma verdadeira catástrofe a divulgação da rede DAB que foi implementada em Portugal, por ocasião da EXPO 98, com praticamente ninguém a saber que existia tal tecnologia disponível, e que inclusivamente já cobria bastante o nosso território com vários emissores instalados (na realidade, 11 milhões deitados simplesmente no lixo - não nos podemos queixar de nós próprios, temos o que merecemos...).
Termino, dizendo que a diversidade e alternativa proporcionadas pela Smooth FM, já mereciam melhor cobertura radiofónica, diria mesmo, nacional.


 

joao_s

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 588
    • Ver Perfil
Re: Futuro da rádio em Portugal: DAB
« Responder #16 em: Junho 14, 2020, 09:52:35 pm »
Rui Cleto,

sugiro que façamos referência a factos (aliás, como é o seu hábito). Quantos anos demorou o FM a ganhar relevância no Ocidente e em Portugal? No Ocidente, 40 anos (década de 70), em Portugal, 50 anos (década de 80). A invenção da tecnologia remonta à década de 30 do Séc. XX. Na década de 60, quando foi inventado o “Estéreo”, a audiência em FM era residual nos Estados Unidos e Europa. A segunda guerra mundial atrasou a disseminação da tecnologia FM. Não sei que idade tem, mas recordo-lhe que em Portugal, na década de 70, um simples recetor AM/FM tinha um preço exorbitante, não era acessível à generalidade das pessoas. Se a lógica fosse a mesma que o DAB, tinham desligado os emissores FM, no fim de contas uma tecnologia velha (na década de 70 tinha 40 anos e com baixíssima audiência), até caírem de podres no chão. Contudo há uma diferença na transição de AM para FM quando comparada do FM para DAB. Aqueles que fizeram a transição de AM para FM tinham visão de futuro e eram competentes, suponho que foi o ‘Rádio Clube Português’ que deu passos nesse sentido, o que não aconteceu com o DAB, todo o processo foi caótico, cheio de erros, sem planeamento e sem perspetivar futuro. É aqui que estamos, atrasados em relação aos países europeus de referência porque não houve quem cumprisse a sua missão no passado recente, navegou à vista e ao sabor de interesses instalados, que prejudicaram todos os ouvintes de rádio.

Falamos da ‘SmoothFM’ mas podemos referir a ‘Rádio Observador’, suponha que o arranque da estação era feito com uma rede nacional de emissores em DAB (continente e ilhas), a estação partilha custos de operação com outras estações, dado que utilizam as mesmas antenas/emissores. Que efeitos positivos tem este pequeno/grande pormenor para a viabilidade da ‘Rádio Observador’. Podemos falar da ‘Rádio Nova’, ‘Rádio Marginal’ e tantas outras que, com esta tecnologia a funcionar, tinham um auditório muito mais vasto e espalhado pelo país. As rádios nacionais que temos são redutoras, esta seria uma renovação positiva para todos nós, ouvintes.

Cordialmente.

Adenda: A rádio deve ser universal e gratuita. A Internet, 5G são formas complementares de ouvir rádio, não devem substituir a forma tradicional de o fazer, sob pena de falarmos de outra coisa que não é rádio.
« Última modificação: Junho 14, 2020, 09:59:26 pm por joao_s »

ruicleto

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 201
    • Ver Perfil
Re: Futuro da rádio em Portugal: DAB
« Responder #17 em: Junho 15, 2020, 05:54:19 pm »
Tenho quase, quase 54 anitos. Concordo com a totalidade do último texto do joão_s, que julgo terá visão para o que, inevitavelmente, terá que acontecer em Portugal - a mudança para o digital, seja lá que tecnologia seja escolhida.
Adiciono apenas que a emissão em DAB+ apresenta menores custos por antena emissora. De facto, a partilha de torres de emissão poderá ser algo a ponderar se existisse uma entidade coordenadora (ANACOM? ERC?) que juntasse os grandes grupos de radiodifusão e representação das rádios locais portugueses "à mesma mesa" para se entenderem e avançarem para este passo tecnológico.
Julgo que quando começarem a circular novos veículos, a partir de 2020, equipados com recetores DAB, e os condutores se aperceberem que têm algo no carro que não podem utilizar, alguém vai começar a reclamar e a perguntar porquê?...
Termino, dizendo que vou estar na Bélgica, já por pouco tempo, e que não consigo escutar o FM, apesar de ainda coexistir, tendo em opção a fabulosa qualidade e estabilidade da receção em DAB+, tanto em casa como no carro. Tenho dito.

livelx90

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 96
    • Ver Perfil
Re: Futuro da rádio em Portugal: DAB
« Responder #18 em: Setembro 19, 2020, 09:28:08 pm »
« Última modificação: Setembro 19, 2020, 09:39:17 pm por livelx90 »

ruicleto

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 201
    • Ver Perfil
Re: Futuro da rádio em Portugal: DAB
« Responder #19 em: Setembro 20, 2020, 02:34:38 pm »
Excelente pesquisa histórica!!!
No texto fica patente a nítida melhoria da rádio digital em relação ao FM (apesar de naquela altura  não ter sido considerada a opção pelo DAB+ (muito mais eficiente que o DAB).
Faltou uma campanha de informação pública e a existência, em simultâneo, de equipamentos em Portugal acessíveis aos futuros ouvintes. Total amadorismo dos responsáveis  :(